Tiroteio escancara medo na Asa Norte: bairro tem quase dois roubos por dia

Tiroteio escancara medo na Asa Norte: bairro tem quase dois roubos por diaComerciantes reclamam dos assaltos recorrentes na 309 Norte, onde, na noite de terça-feira, um bandido acabou morto por um policial. Prédios têm contratado segurança privada

Amanda Maia

Quadra onde policial reagiu a assalto e matou um suspeito

A falta de segurança e de uma política social eficaz deixa a população e os comerciantes reféns de moradores de rua, usuários de drogas e criminosos. A combinação perigosa tem sido queixa comum na Asa Norte. Sucessivas ocorrências de furtos e roubos, alguns com restrição de liberdade, registradas nas quadras comerciais e residenciais da região assustam os habitantes de uma das áreas mais nobres do Distrito Federal. Sem verem resultado nas ações públicas, como policiamento e punição aos assaltantes e sequestradores, alguns prédios recorreram à iniciativa privada.

Levantamento feito pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-DF), a pedido do Correio, mostra que, de janeiro a outubro de 2013, foram registrados 539 roubos na Asa Norte, ou 1,77 por dia — no ano passado, a média, no mesmo período, foi de 1,85. Na noite de terça-feira, um assaltante tentou render um policial civil no estacionamento da 309 Norte e acabou morto porque a vítima reagiu. A troca de tiros deixou marcas no supermercado da quadra.

Ontem, o assalto virou assunto em lojas da quadra comercial. Há uma semana, o síndico de um dos blocos tomou uma providência. “Os moradores de rua e pivetes queriam dormir aqui e o pessoal dos apartamentos e das lojas se sentia inseguro. Fui obrigado a contratar um vigia particular para inibir. Se o governo não faz a parte dele, temos que fazer a nossa”, argumenta Luiz Jorge Sobrinho.

O antigo síndico tinha uma reserva de dinheiro para questões emergenciais, que deve pagar pelo primeiro salário do vigia. Segundo Sobrinho, o Sindicato dos Condomínios Residenciais e Comerciais do Distrito Federal (Sindicondomínio-DF) estabelece um piso de R$ 2 mil líquido para esses profissionais. Por enquanto, os donos dos imóveis não devem sentir o peso da contratação, mas, nos próximos meses, os custos serão repassados. “Pagamos adicional noturno, então, fica mais oneroso. Se não sentirmos que a segurança nas ruas melhorou, vamos manter o vigia. A tendência é aumentar o valor do condomínio”, adianta Sobrinho.http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2013/12/05/interna_cidadesdf,401789/tiroteio-escancara-medo-na-asa-norte-bairro-tem-quase-dois-roubos-por-dia.shtml

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: