Tia Eron Vereadora da cidade de Salvador na Bahia

Publicado por Redação PRB 



“Sem alternativa, a não ser vencer”
Entrevista: Tia Eron
A vaidade que toda mulher bonita tem naturalmente contrasta com a humildade de quem credita “a Deus e ao trabalho, trabalho, trabalho” a terceira recondução a um mandato legislativo na Câmara Municipal de Salvador. Mas quem conhece as dificuldades da política na capital baiana sabe que só com muita competência uma mulher conseguiria se destacar como um dos vereadores mais votados e ser eleita quatro vezes na cidade (fato inédito entre candidatas). Foi com superações que Tia Eron fez sua carreira. E é com a certeza de que está fazendo o certo, ao priorizar mulheres, crianças e os mais desfavorecidos em sua atividade parlamentar, que ela pretende cumprir seu quarto mandato. Mas não confundam a vereadora de hábitos simples com um ser simplório. Ela sabe seu valor, até quando questionada sobre os motivos da vitória: “Eu não tinha alternativa senão vencer”, diz rindo, manifestando o humor e a confiança que contagiam não só seu eleitorado.

1 – Na opinião da senhora, qual o motivo, ou motivos, de ter conseguido tão expressiva votação?

Tia Eron – Em realidade, o trabalho. Nada resiste ao trabalho. Quando você faz um trabalho, dá a cara para bater e faz as pessoas se identificarem e reconhecerem sua proposta, não tem como dar errado. Então, eu credito esse resultado em primeiro lugar a Deus. Em segundo, ao trabalho, ao trabalho e ao trabalho.

2 – A senhora já definiu uma prioridade neste seu próximo mandato?

Tia Eron – Com esses resultados, as pessoas estão me dizendo que deu certo desde o início. A gente construiu o mandato empunhando a bandeira da mulher, da criança, a questão social… Então eu vou, na realidade, intensificar o trabalho que está sendo feito. Procurar abordar com mais afinco a questão da revitalização da economia local e popular. Como exemplo, eu dou a questão do Shopping Popular, que as pessoas chamam de Grande Centrão, e que alguns dizem que saiu de moda. Eu acredito que com um projeto de revitalização, você pode torná-lo uma opção de comércio popular eficiente. Essa deve ser uma das prioridades desse quarto mandato.

3 – Como a senhora definiria essa trajetória política, que chega agora a um quarto mandato consecutivo, algo inédito entre mulheres em Salvador? Existiram muitas frustrações?

Tia Eron – Eu sou brasileira e não desisto nunca (risos), então a superação faz parte do nosso dia a dia. Mas passei seguramente por frustrações muito grandes. Fazer política, o próprio processo de representatividade no Brasil é muito complicado. Sobretudo quando você não tem um Executivo que comungue do mesmo ideal. É frustrante você ver pessoas e comunidades chegarem com suas demandas, você tentar emplacar e encontrar uma série de dificuldades oriundas de outras esferas do poder. Você acaba não conseguindo corresponder àquilo que você pretende fazer, até porque você é uma onda só, em um universo que é composto por um colegiado que nem sempre está vinculado ou mesmo sensibilizado com os mesmos interesses que você representa. Isso dificulta muito, mas é o nosso sistema. Está imposto aí. E a gente vai tentando com habilidade, com insistência, fazer com que as coisas que nós acreditamos deem certo. Em determinados momentos, você tem a sensação de que está fazendo tudo errado. Em outros, você vê resultados. Um exemplo disso é quando você pega um determinado segmento, como foi o caso dos baleiros, onde saímos de 50 integrantes que queriam ter o direito de trabalhar e vender balas no interior dos transportes coletivos. Com muito trabalho conseguimos chegar a mais de mil pessoas que romperam o ciclo do desemprego do Brasil com sua capacidade de trabalho. Mas nesse caminho, como tivemos críticas, como tivemos retaliações. Era estranho, pois você no fundo sabia que estava fazendo a coisa certa, mas por vezes tinha a sensação de estar fazendo algo errado.

4 – A grande alegria seria então vencer de novo e ver o projeto reconhecido?

Tia Eron – Não diria que a grande alegria foi vencer. Até porque vencer nós venceríamos mesmo. Não havia alternativa. Era ganhar, ou ganhar (risos). Minha alegria não se faz com a vitória nas eleições, mas sim com o chegar em uma casa e ver uma mãe, uma família, dizerem “olha Tia Eron, obrigado, pois com sua ajuda, seu trabalho, hoje conseguimos nosso sustento. Conseguimos comprar nosso pão, conseguimos trabalhar”. Isso não tem preço. Isso nos dá alegria e mais, nos dá a convicção de que vale a pena.

5 – Com essa trajetória política vitoriosa já dá pra almejar novos voos. Podemos pensar em Tia Eron deputada estadual, federal…?

Tia Eron – Essa é uma pergunta recorrente. Hoje mesmo, dei duas entrevistas e as pessoas falavam “Tia Eron, presidente da Câmara, Tia Eron isso…”. Se você puxar meu histórico, fizer uma linha do tempo, verá que cheguei à política sem nenhuma pretensão de ser política. Até porque não tenho histórico familiar nisso. Chegava a ser um contrassenso eu, vindo da experiência de trabalhar com crianças, vindo de um universo “interna corporis”, ver meu trabalho extrapolando os muros da instituição. E então as pessoas olham para você e dizem, “você tem uma veia política, vamos trabalhar isso”. E foi assim que aconteceu. Eu não tenho nenhuma pretensão. Eu faço um trabalho de grupo. Trabalho por um grupo.

6 – Como a senhora avalia a participação do PRB nas eleições em seu estado?

Tia Eron – Minha avaliação é extremamente positiva e vou lhe dizer o porquê. Em cidades que nós, historicamente nunca tivemos candidatos, tivemos e obtivemos resultados que mostram claramente que há um reconhecimento à forma com que o PRB trabalha. Isso me fortalece e mostra que o PRB está no caminho certo. Um partido que em tão pouco tempo consegue tamanho reconhecimento. Veja o caso de Salvador, fizemos uma campanha sozinhos, com um candidato a prefeito sem grandes recursos, sem tempo na TV, na terceira maior cidade do País, e conseguimos excelentes números. No estado, fizemos dois prefeitos e dois vice-prefeitos. Isso deixa claro que o partido está fazendo uma escala ascendente e constante. O que nos dá muito prazer de estar nesse grupo. É mais do que animador ter obtido os resultados que obtivemos. Ser reconduzida pela terceira, vez, nunca uma mulher foi eleita quatro vezes seguidas em Salvador. Ter a maior votação entre as mulheres no estado. Tudo isso dignifica. Ainda mais porque Salvador teve a campanha mais difícil de sua história. Foram mais de 2 mil candidatos a vereador. Imagina a pulverização. E ainda assim, você alcançar esse números… É, sem dúvida, com a ajuda de Deus e dos amigos. Até porque campanha de vereador é campanha com os amigos.

7 – Qual a mensagem que a senhora deixaria para seus eleitores?

Tia Eron – Minha mensagem é de agradecimento, de me sentir estimulada pela confiança depositada e de garantir que o trabalho será mantido. Mas, acima de tudo, a mensagem que quero deixar é de que o povo não pode deixar de participar, não pode virar as costas para a política. Em especial, no mandato da vereadora Tia Eron, que estará sempre com as portas abertas para a população, não só de Salvador, para ouvir, debater e acima de tudo estar junto nas lutas que merecem ser lutadas, que são as lutas em favor da nossa população, em especial, da parcela mais fragilizada.

Foto: Douglas Gomes

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: