Sul-africanos enfrentam seis horas de fila para despedir-se de Mandela

Sul-africanos enfrentam seis horas de fila para despedir-se de Mandela Apesar do sol forte, que se opôs à chuva incansável de ontem (10/12) durante o tributo no Estádio Soccer City, o dia estava bonito e o cansaço não encobria o entusiasmo de cada um

Agência Brasil

Milhares de pessoas passaram nesta quarta-feira (11/12) ao lado do caixão do ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, pela primeira vez exposto ao público desde sua morte na quinta-feira (5/12).

O trajeto percorrido foi longo. A maioria teve de enfrentar mais de seis horas de fila para poder passar, em menos de cinco segundos ao lado do caixão. Apesar do sol forte, que se opôs à chuva incansável de ontem (10/12) durante o tributo no Estádio Soccer City, o dia estava bonito e o cansaço não encobria o entusiasmo de cada um.

“A espera vale a pena porque vamos dar nosso último adeus a Tata”, disseram vários sul-africanos à Agência Brasil, carregando consigo adereços com a imagem de Mandela e chamando o ex-presidente por um de seus apelidos carinhosos. A despedida foi no belo Union Buildings, o palácio do governo da África do Sul.

A fila, que dobrou quarteirões, foi formada para, primeiramente, as pessoas entrarem nos ônibus que as levaria até o alto do terreno do Union Buildings, de onde se tem uma bela vista de Pretória. No local, outra fila para chegar até o caixão, que fechado, tornava difícil a visão do corpo de Mandela, apesar da superfície superior ser de vidro. Fotografias eram proibidas.

Para registrar o momento, sul-africanos e alguns turistas aproveitaram para tirar fotos nos jardins do Union Buildings, normalmente fechados à população. Além da bela vista, um pequeno local serviu para os filhos de Mandela, como alguns se autodenominam, depositarem flores, fotos e outros objetos para marcar sua presença na despedida do primeiro presidente negro da África do Sul e ganhador do Prêmio Nobel da Paz de 1993.

O velório, cujo término estava previsto para as 17h, teve de ser estendido. Uma forte chuva caiu para fechar o primeiro de três dias do funeral de Estado no palácio. O corpo de Mandela será sepultado domingo (15), em Qunu, cidade onde ele nasceu, a quase 1 mil quilômetros de Pretória. Nos próximos dois dias, mais filas virão cumprir o objetivo de dar o último adeus a Tata Mandela.


About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: