Reprovada no ‘Ídolos’, drag brasileira se destaca no ‘The Voice’ da Irlanda

8jan2015-a-drag-queen-emmie-reek-alterego-de-emery-augusto-nos-estudios-do-the-voice-of-ireland-1452303032123615x300-300x250eAprovada para as audições às cegas da versão irlandesa do “The Voice”, a drag queen brasileira Emmie Reek, de 27 anos, nem precisou cantar para virar uma celebridade na Irlanda.

Após a exibição de um teaser de sua participação – a audição completa vai ao ar no próximo domingo (10) – Emery Augusto, nome verdadeiro do estudante de Letras por trás de Emmie, foi procurado por vários jornais do país para contar sua história.

“Acho que teve toda essa repercussão porque é a primeira vez que alguém se apresenta em drag na versão irlandesa”, opinou Emery em entrevista ao UOL. Além do “The Voice” irlandês, as versões brasileira e portuguesa do reality show já tiveram drag queens como concorrentes.

Morando em Dublin há um ano e meio, Emery se mudou para o país para aperfeiçoar o inglês, trabalha como recepcionista e garçom numa rede de restaurantes e está de casamento marcado com Martin, um polonês que conheceu durante a viagem. Caso Emmie seja aprovada para as próximas fases da competição, o casamento terá que ser adiado. “E todo esse drama vai passar na televisão”, brinca.

Carioca, Emery canta desde os 11 anos, toca violão, baixo, teclado e compõe. “Eu cantava em bares, eventos, estava cantando num bar na Tijuca antes de vir para Dublin. Vim para cá para juntar dinheiro e tentar produzir um EP”, conta.

No Brasil, sua maior tentativa de sair do anonimato foi o “Ídolos”, reality show que acabou em 2012. “Tentei três vezes, até passei nas seletivas, mas nunca fui além dos jurados”, lembra.

Mistura de Amy louca com Rihanna maluca
A ideia de se apresentar como Emmie Reek foi incentivada pela produção do “The Voice” irlandês. “Mandei dois vídeos para a inscrição. Um como Emery e um como Emmie e aí quando eles me chamaram, disseram que seria interessante se eu me apresentasse como drag”, conta.

A personagem nasceu como uma brincadeira entre os amigos e só foi “assumida” depois que Emery assistiu ao reality show “Ru Paul’s Drag Race”, competição entre drag queens exibida nos Estados Unidos. “Me apaixonei por esse universo e pensei em juntar duas coisas que eu gosto: cantar e fazer drag”, conta ele, fã da ex-participante Adore Delano, que também tem uma carreira musical.

Em sintonia com o tipo de música que Emery gosta de cantar – na apresentação do “The Voice” a canção escolhida foi “The Only e One”, de Adele, Emmie é uma “mistura de Amy [Winehouse] louca com Rihanna maluca e Christina [Aguilera] Diva”, explica.

O estudante diz que estar em um personagem é como usar “um escudo de maquiagem”. “São quatro horas me preparando. Quando termino, o jeito de sorrir é diferente, o jeito de piscar é diferente. Não consigo ser eu mesmo quando olho a Emmie. Acho que sou até mais tímido do que ela. Ela é muito diva, fofa, meiga. E guerreira também porque teve a coragem, que eu não sei se teria, de ir a um programa de TV”.

Reprodução

About Willams Rocha

%d blogueiros gostam disto: