Praça Ibero-americana da juventude é destaque no 53º aniversário de Brasília

Joceline Cunh

Jovens de todas as tribos participaram das muitas atividades oferecidas. E aprovaram a iniciativa do GDF

juventudeinternaok
  A Praça Ibero-Americana da Juventude foi o grande destaque do 53º aniversário de Brasília. Famílias, crianças, adolescentes e principalmente jovens de várias tribos aproveitaram o espaço, das 9h da manhã do sábado (20) até às 18h do domingo (21), conferindo e participando das atrações oferecidas. Slackline, basquete de rua, batalha de break, J-pop, BMX, skate, muro de escalada, e jogos eletrônicos mantiveram a galera animada durante todo o dia. À noite, shows de artistas locais e nacionais completaram a festa, que celebrou o título de Capital Ibero-americana de Juventude, em grande estilo.
Para o coordenador da Juventude, Carlos Odas, a Praça mereceu todos os elogios que recebeu do público, e foi graças ao trabalho das organizações juvenis que o projeto alcançou o resultado esperado. “A ideia da Praça Ibero-Americana da Juventude é que os jovens podem ocupar o espaço público com as suas expressões e torná-lo ainda mais público, ou seja, desprivatizar o espaço público, e a juventude pode fazer isso. O envolvimento da juventude do DF na construção deste espaço foi muito grande. As redes juvenis é que construíram a Praça, e eu acho que a juventude está cumprindo seu papel”, disse.
Hamilton Pereira, secretário de Cultura, concorda e complementa: foi com a ajuda e contribuição das organizações de juventude na elaboração da programação que “nós atingimos a juventude que está vindo para a Praça, que começa a ser ocupada pelos jovens, pelas crianças. Acho que essa contribuição das organizações de juventude de Brasília com o Governo do Distrito Federal (GDF) é a responsável pela sintonia que nós estabelecemos”.
A Central Única das Favelas (CUFA-DF) foi uma das parceiras que ajudou a construir a Praça e trouxe para a Esplanada dos Ministérios mais uma etapa da Liga Internacional de Basquete de Rua (LIIBRA). Max Maciel, coordenador-geral da CUFA-DF, afirmou que a Praça representa a pluralidade da juventude do DF, e falou da importância de mais iniciativas como essa na cidade. “A Praça reconheceu as culturas juvenis urbanas que se compõe nessa cidade e trouxe tudo para uma praça única. É a hora de mostrar e de revelar os talentos juvenis, e aqui está tudo aglutinado, reunido da melhor forma possível. Esse é o caminho”, declarou.
Atividades para todas as tribos
Brasília tem um grande número de fãs de desenhos animados japoneses, os animes. Ítalo Almeida, de 14 anos, não perdeu a oportunidade de fazer o cosplay de um de seus personagens favoritos: Kakuzu, do anime Naruto. Para ele, o espaço foi muito bom para quem queria se divertir e conhecer novas atividades, e deve ser um exemplo para o GDF promover mais eventos para os jovens. “A Praça está muito legal. É a primeira vez que eu estou vindo de cosplay. Acho que o GDF podia fazer mais eventos como esse, construir mais lugares de lazer para os jovens”, opinou.
O presidente da associação de Le Parkour do Distrito Federal, Vinicius Monteiro, de 19 anos, elogiou o fato do esporte, que tem um grande número de praticantes em Brasília, estar presente no 53º aniversário. Para ele, a Praça é uma das primeiras demonstrações de que a juventude de Brasília terá mais visibilidade na cidade, e mais poder de decisão com a eleição do Conselho de Juventude. “Acho que a gente vai ter mais voz. A gente vai ter um Conselho da Juventude atuando pela comunidade jovem de Brasília, então vai mudar um pouco”, torce.
Outra atividade radical com espaço na Praça foi o BMX, modalidade urbana praticada com bicicletas. Juan da Silva Carvalho, de 17 anos, comemorou o fato do aniversário disponibilizar um espaço adequado para a prática de esportes. “Acho importante o governo apoiar o BMX, significa que Brasília está se desenvolvendo, incentivando a prática de esportes radicais”, explicou.
Gustavo Cavalcante ajudou a deixar o espaço próximo ao Palco da Juventude, ao lado do Museu Nacional, um pouco mais divertido. O grafiteiro, que assina Guga Baygon, estava finalizando sua obra quando comentou que o título de Capital Ibero-americana de Juventude pode ajudar a fomentar várias áreas culturais, principalmente de arte urbana. “É bom a juventude marcar presença nesses espaços, como essa Praça, e mostrar o que tem feito pela cidade. Tem muita coisa que passa batido às vezes”, critica.
Andar na corda-bamba deixou de ser uma expressão de perigo e passou a ser um esporte muito praticado em Brasília. Ítalo de Castro, de 17 anos, pratica SlackLine há um ano, e elogiou o fato do GDF trazer o esporte, famoso entre a juventude de Brasília, para a Praça. “Achei muito ‘da hora’, principalmente porque é a primeira vez que o slackline está sendo colocado nesse evento, e como é um esporte que está crescendo muito aqui em Brasília, é importante para galera, é mais uma forma de divulgar o esporte”, disse.
Ivonete Feitosa, coordenadora do espaço dedicado ao skate, também manifestou sua alegria pela diversidade da Praça, que, segundo ela “atende a quase todas modalidades praticadas”. Jorge Henrique, mais conhecido como MC Ahoto, complementou: “essa é a primeira vez, em Brasília, que ‘rola’ um espaço da juventude aqui na Esplanada. É uma grande oportunidade, um grande incentivo à cultura, aos jovens de Brasília, e você não vem apenas para assistir aos shows, dessa vez todos os jovens podem participar, todo mundo pode interagir. São vários grupos e acho que é um super projeto. Brasília está precisando desse incentivo à cultura, ao esporte, e Brasília está fazendo isso esse ano”, comemorou.

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: