Pivô da queda de Palocci, cafetina é presa em Brasília


‘Promotora de eventos’ e mais duas comparsas foram detidas

Mais Notícias

Passado. Em 2005, Mary já contatava garotas de programa para festas com políticos e empresários

BRASÍLIA. A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu ontem a promotora de eventos Jeany Mary Corner e outras oito pessoas, sob suspeita de agenciamento de garotas de programa e outros crimes relacionados. Mary Corner ficou conhecida no meio político de Brasília em 2005, quando se transformou em um dos pivôs do escândalo que derrubou Antônio Palocci do Ministério da Fazenda durante o primeiro governo Lula. Na época, ela era acusada de organizar festas para políticos na capital federal.

Neste ano, seu nome voltou à evidência no noticiário com a Operação Miqueias, da Polícia Federal, na qual prostitutas ligadas a Mary Corner eram usadas para cooptar gestores para um esquema criminoso suspeito de lavagem de dinheiro e desvio de recursos de fundos de pensões municipais.

Segundo a Polícia Civil, a investigação sobre Jeany Mary Corner foi independente da Polícia Federal e tem como foco coibir os crimes praticados contra as mulheres. Além dela, mais duas pessoas, Marilene Fernandes de Oliveira e Vilma Aparecida, são consideradas as cabeças do suposto esquema. Também há um policial militar no grupo.

Dentre os crimes dos quais são acusadas estão favorecimento à prostituição, rufianismo (obtenção de lucro através de exploração sexual), tráfico interno de pessoas, casa de prostituição e associação criminosa.

A delegada Ana Cristina Santiago, chefe da Delegacia Especial de Atendimento à Mulher (Deam), afirma que as garotas de programa relataram serem ameaçadas por tentarem deixar a prostituição. Segundo a delegada, os encontros chegavam a custar R$ 10 mil.

As nove pessoas estão presas temporariamente por cinco dias, para permitir o aprofundamento das investigações. Depois desse prazo, a Polícia Civil decidirá se pedirá a permanência delas na prisão caso ainda seja necessário.

SILÊNCIO. De acordo com a delegada, Mary Corner foi interrogada, mas permaneceu calada e ainda não constituiu advogado. Já as outras duas apontadas como líderes do esquema negaram a prática de crimes, segundo a policial.

Musa

Querida. Muito bem quista pelos políticos que frequentavam a mansão para onde Mary Corner levava as garotas de programa até 2005, a mulher ficou conhecida como “Musa do Mensalão”.

Copa turbina rede de prostituição

BRASÍLIA. A investigação verificou que a rede de prostituição cresceu em consequência dos grandes eventos, como Copa das Confederações e Copa do Mundo. “O que nos chamou a atenção, num primeiro momento, foi verificar denúncias de que mulheres queriam abandonar a prostituição e eram impedidas”, afirmou a delegada Ana Cristina Santiago.

“Depois, surgiu a questão dos grandes eventos, Copa das Confederações e Copa do Mundo. Verificamos que houve aumento crescente da exploração sexual”, completou.

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: