Milhares de pessoas protestam em apoio a presos da ETA em Bilbao

Milhares de pessoas protestam em apoio a presos da ETA em Bilbao Sob o lema “Direitos humanos, acordo, paz”, os nacionalistas do PNV se uniram nas ruas aos separatistas, apesar de suas divergências

France Presse

Bilbao – Dezenas de milhares de manifestantes marcharam na noite deste sábado pelas ruas de Bilbao, no País Basco, em um desafio lançado contra Madri depois da proibição pela justiça de uma mobilização em apoio aos presos da organização separatista basca (ETA).

O PNV se uniu, assim, pela primeira vez desde 1999 a um protesto dos separatistas

Apesar de terem decidido realizar uma marcha silenciosa, os manifestantes gritavam palavras de ordem, como “Presos bascos, para casa!”, enquanto familiares destes eram aplaudidos em sua passagem, emocionados, levando lenços brancos amarrados no pescoço.

Sob o lema “Direitos humanos, acordo, paz”, os nacionalistas do PNV se uniram nas ruas aos separatistas, apesar de suas divergências, em resposta à decisão da Audiência Nacional de proibir uma manifestação organizada por outro coletivo a favor dos presos da ETA. Desta forma, o PNV se uniu pela primeira vez desde 1999 a um protesto dos separatistas.

Esta resposta comum de duas correntes políticas que representam mais da metade do eleitorado do País Basco espanhol ocorre após a proibição de uma manifestação contra a “dispersão” dos militantes separatistas presos. “Diante desta proibição que supõe também uma agressão à liberdade de expressão, partidos políticos e sindicatos que representam a maioria política deste país decidiram que era preciso convocar esta manifestação em primeiro lugar para defender este direito à liberdade de expressão”, declarou Pernando Barrena, porta-voz do partido separatista de esquerda Sortu.

O porta-voz do governo regional, Josu Erkoreka, tinha considerado “muito grave e incompreensível para o povo basco” a decisão do magistrado que proibiu o ato. Dias antes da marcha deste sábado, o juiz da Audiência Nacional (principal instância penal espanhola), Eloy Velasco, tinha “proibido” outra manifestação por considerar que o grupo de apoio aos presos, Herrira, desmantelado em uma operação policial em 30 de setembro do ano passado e cujas atividades foram suspensas durante dois anos pela justiça espanhola, estaria por trás do protesto.

A proibição judicial levou vários partidos bascos, críticos a esta decisão, a convocar outra mobilização, com o lema “Direitos humanos, acordo, paz”.

A aproximação dos presos militantes da ETA ao País Basco, atualmente uns 520 espalhados em prisões de toda a França e Espanha, constitui uma das reivindicações históricas da organização separatista e da esquerda separatista basca. Após o abandono da luta armada, em 20 de outubro de 2011, este tema, muito delicado, revelou-se chave na oposição entre a ETA e o governo central, em Madri. “Impuseram-nos uma dupla pena”, lamentava Itziar Goienetxia, uma mulher de 52 anos, cujo marido está preso há 11 anos perto de Cádiz, na Andaluzia (sul), cidade portuária oposta ao País Basco na geografia espanhola.

“Eu moro em Pasajes, perto de San Sebastián”, contava a mulher, que se deslocou para Bilbao para participar do protesto. “A cada quinze dias, tenho que percorrer 1.200 quilômetros para ir vê-lo e outros 1.200 km para voltar. Tudo isto para passar 40 minutos atrás de um vidro e depois uma hora e meia frente a frente com ele”, contou.

Leia mais:

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: