Mãe de jovem morto em assalto representa o desespero da capital


Mãe de jovem morto em assalto representa o desespero da capital Leonardo Almeida Monteiro, 29 anos, é uma das mais recentes vítimas da violência descontrolada no Distrito Federal

Thaís Paranhos

Clara Campoli

Era o filho de Ana Cleide Almeida que estava sem vida sob o lençol branco manchado de sangue na Rua 34 de Águas Claras. Na noite da última quarta-feira, ela ouviu a pior notícia que uma mãe poderia receber. Leonardo Almeida Monteiro, 29 anos, é uma das mais recentes vítimas da violência descontrolada no Distrito Federal. Levou um tiro após estacionar o carro na frente do prédio onde vivia. Diante da barbárie, ontem a empresária ainda teve de reunir as forças para enterrar o filho único. Cerca de 200 pessoas, entre familiares e amigos, deram o último adeus ao rapaz na capela 2 do cemitério Campo da Esperança.


Ana Cleide é amparada por amigos e parentes durante o enterro do filho: silêncio durante toda a cerimônia
 

Ana Cleide vestia uma saia preta e uma camiseta com uma foto do filho e os dizeres “Qualquer dia, amigo, eu volto a te encontrar”. Vestimenta, aliás, usada por vários amigos de Leonardo. Ela ficou o tempo todo amparada por familiares e mal conseguia dizer algumas palavras, dominada pelo sentimento de tristeza e revolta. O corpo começou a ser velado às 13h30 e, quando o cortejo saiu, duas horas depois, Ana Cleide andava afastada da multidão, quase sem forças nas pernas. O corpo de Leonardo foi enterrado sob aplausos e um grito que veio do meio da aglomeração de pessoas: “Sua morte não será em vão”. Enquanto isso, Ana Cleide observava, calada, a cerimônia de adeus ao filho ao lado de uma sobrinha e da namorada dele.

Leia mais notícias em Cidades

“Isso é um descaso, queria ver se fosse o filho de alguém importante. Leonardo era uma pessoa querida, do bem, um menino de ouro”, disse uma amiga próxima da família. “Ele morreu por nada, matar virou uma coisa normal, e a gente fica esperando o ‘e se’, e se a polícia estivesse lá, o que teria acontecido”, completou. Dezenas de amigos também estiveram no local para se despedir de Leonardo. Muitos jovens, amigos de infância e da casa noturna em Taguatinga onde o rapaz trabalhava. O clima era de tristeza e revolta. Muitos não conseguiram segurar as lágrimas. “Era uma pessoa tranquila e humilde. A notícia pegou todo mundo de surpresa e mostra como estamos à mercê dessa violência”, comentou o empresário Jânio da Costa, 33 anos, morador de Vicente Pires.

Ana Cleide ficou viúva há 13 anos, de acordo com informações de amigos. Desde então, era só ela e Leonardo em casa. Os dois eram muito ligados. Em texto publicado nas redes sociais, a empresária manifestou toda a dor com a perda do filho. “Hoje com o meu coração partido em milhões de pedaços desabafo que tiraram a vida da minha vida. Minha razão de viver, de recomeçar, de voltar para casa para cuidar. Mataram meu filho quando chegava em casa depois de um dia de trabalho. Como viver?”. A proximidade entre Ana Cleide e Leonardo foi relatada por alguns amigos. “Os assaltantes não mataram só um, mataram a família inteira. Leonardo era o filho, o marido, o pai e o avô da mãe”, afirmou um amigo.



http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2014/01/31/interna_cidadesdf,410537/mae-de-jovem-morto-em-assalto-representa-o-desespero-da-capital.shtml

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: