Justiça dará a palavra final


Suzano Almeida

Está definido, pelo menos até o fim da disputa na Justiça Eleitoral, com quem fica a vaga de Raad Massouh, cassado na última semana. A Câmara Legislativa deu posse ontem ao primeiro suplente Paulo Roriz (PP), que chega à Casa contestado pelo DEM – partido pelo qual concorreu – e pelo terceiro suplente Hamilton Tatu do Bem, único na linha de sucessão de Raad a ficar na sigla após a eleição de 2010.

Paulinho ingressa no Legislativo para engrossar a base de Agnelo Queiroz, mesmo depois de ter tecido declarações contra o governo e de ser exonerado do cargo de secretário do Entorno.

“Não tenho nada contra o governo ou contra o governador. Do que eu disse não retiro uma vírgula, eu precisava dar uma satisfação a Santa Maria, que me elegeu. Minha crítica foi construtiva. A proporção dada é que não foi a correta”, alega.

Sem bate-boca
Ele afirma que não entrará em polêmicas com os ex-companheiros por conta do mandato. “Eu queria entrar por meus 16 mil votos e não desta forma. Não quero entrar em polêmica com o Hamilton ou com o DEM. Acredito que eles têm que buscar seus direitos e, se a Justiça entender que o mandato é deles, que decida”, declara o novo deputado distrital.

Roriz lembra que, ainda que o partido queira seu mandato, terá de passar por cima do segundo suplente João Luiz Arantes, hoje no PHS, e acusa Tatu do Bem de não ter as contas aprovadas pela Justiça Eleitoral. “Mesmo que eu perdesse o mandato o Hamilton não poderia assumir, pois as contas dele foram reprovadas pela Justiça. Ele ficaria pouco tempo”, constata.

Tatu rebate as acusações e contra-ataca: “minhas contas não foram reprovadas e tenho toda a documentação. O Paulinho Roriz brincou comigo e andou me chamando de menino pelos meios de imprensa e pelas redes sociais. Sou um pai de família e não sou bobo. Na verdade, acho que bobos são os eleitores que ainda votam nele”, revolta-se Tatu.

Comendo sal

O suplente revela que ele e o presidente do Democratas, Alberto Fraga, foram procurados por figurões da política local, para que não entrassem com o pedido de retomada do mandato, mas a resposta não foi das mais serenas. “Quando o DEM estava na pior eu fui o único que fiquei, pois os outros queriam cargos no governo. Por isso, quando ligaram para o Fraga ele respondeu: ‘O Tatu foi o único que ficou comigo comendo sal’”.

Ponto de Vista

De acordo com o presidente da Câmara Legislativa, Wasny de Roure (PT), a posse de Paulo Roriz constitui ato vinculado a lista sucessória do Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Para assumir a vaga, os outros dois suplentes deveriam ser indicados pelo próprio TRE. Ele afirma que a escolha não é dele e que, como presidente, queria que a posse fosse ratificada por outros nomes da Mesa Diretora. Por isso se pensou em adiar a posse para esta terça. Wasny diz ainda que Paulinho já pode assumir o gabinete, o que deve ocorrer hoje, quando ocorrerá reunião com servidores que trabalhavam com o ex-distrital Raad Massouh.

Suplente denuncia pressão

Hamilton Tatu conta que desde a última sexta-feira teve sua vida revirada por pessoas que interessadas em que Paulo Roriz assuma o mandato, mas não revela quem foram. O suplente acredita estar sofrendo perseguição e denuncia que acertos chegaram a ser sugeridos. “Me procuraram para fazer um acordo, mas não aceitei. Acredito que por fazer parte do partido do maior opositor ao Buriti, o Fraga, eu não esteja tendo uma linha sequer de apoio dos meios de comunicação. Represento uma ameaça para o administrador de Samambaia, que é do governo”.

Tatu do Bem conta que Paulo Roriz usou de “má-fé” com o DEM, pois durante o período que substituiu Raad, quando secretário de Micro e Pequena Empresa, afirmava estar filiado ao PEN, o que nunca ocorreu, segundo ele.

Ameaça à burguesia

Para Tatu, sua posse significa uma ameaça para o atual cenário da Câmara Legislativa. “Eu sou um discurso de mudança, por isso sou uma ameaça na Câmara Legislativa. Assim como represento Samambaia, defendo que cada Região Administrativa tenha seu representante. Com isso dificilmente essa burguesia que passa o mandato de pai para filho seria eleita”, ressalta Tatu, afirmando que irá até a última instância.

Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: