jovem é agredido por seguranças de boate e alega homofobia


                       

André Barbosa relatou, por meio do Facebook, que foi agredido por seguranças na 2ME porque beijou um rapaz dentro da boateFoto: Reprodução


SC: jovem é agredido por seguranças de boate e alega homofobia
Vítima registrou ocorrência policial e diz que levou socos e chutes porque teria beijado um rapaz na boate 2ME

 
O jovem André Barbosa, 22 anos, registrou uma ocorrência na Polícia Civil de Balneário Camboriú, litoral de Santa Catarina, após ser agredido por dois seguranças da boate 2ME, que pertence ao grupo Green Valley. À polícia, ele afirmou ter sido vítima de homofobia por beijar um rapaz dentro do estabelecimento no último sábado. O caso está sendo investigado como lesões corporais.

“Como podem ver fui vítima de homofobia. (…) Em um momento da festa, voltando do banheiro, um menino me puxou, se identificou, conversamos e nos beijamos. (…) Algum tempo passou e novamente esse mesmo menino passou por mim e nos beijamos mais uma vez, um beijo normal, sem promiscuidade e sem desrespeitar ninguém. (…) O beijo não durou cerca de 1 minuto e assim que terminamos fui abordado por um chefe da segurança da casa, com uma cotovelada no peito ele me disse ‘não quero ver você beijando mais aqui dentro'”, relatou André, por meio do Facebook.

Segundo André, seus amigos se revoltaram e chamaram o segurança de homofóbico, e com isso houve um tumulto. Ele teria sido levado para fora da boate pelo pescoço e agredido pelos dois homens. “Eu não me alterei em nenhum momento, pois fiquei em choque por aquilo estar acontecendo só por eu ter beijado outro homem. Não agredi o segurança fisicamente e muito menos verbalmente, na saída da casa o segurança alegou que eu havia agredido com um soco na boca. (…) Mas então foi quando esse segurança e mais outro me levaram para a porta da 2ME e começaram a me agredir me chamando de viadinho, até me ameaçaram, falando que iriam me matar, e só pararam quando meus amigos chegaram na frente da 2ME”, completou.

Boate nega homofobia
Em uma nota divulgada também por meio do Facebook, a 2ME nega que a confusão tenha conotação homofóbica. “Importante destacar que o fato não tem qualquer conotação relativamente a opção sexual, como algumas pessoas tem conduzido o assunto, mas sim a uma situação gerada em razão da conduta inapropriada por um grupo de clientes, promovendo agitação, empurra-empurra e gerando incomodo em vários clientes”, afirmou a casa noturna.

“Com os depoimentos na delegacia e testemunhas constatamos que o ocorrido foi que o grupo estava agitado, empurrando, incomodando demais clientes e, então necessário se fez uma abordagem, que foi feita através de um dos rapazes da produção. Os mesmos não foram nada receptivos, muito pelo contrário, uma das pessoas que compunha o grupo agrediu nosso profissional da produção com um tapa no rosto, sem qualquer sentido. Ato seguinte, um segurança se aproximou para defender o produtor e levou uma garrafada na boca de um dos rapazes”, disse a 2ME.

Conforme a boate, a equipe de segurança, que é terceirzada, foi afastada até que uma investigação interna seja apurada. A Polícia Civil não deu detalhes do boletim de ocorrência e disse apenas que os seguranças relataram “comportamento indevido” de André Barbosa.

Colaboraram com esta notícia os internautas Vladimir Manique e Paula Andrea Cunha, de Balneário Camboriú (SC), que participaram do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.
Terra

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: