Joaquim Roriz: Médicos descartam transplante de rim


Joaquim Roriz: Médicos descartam transplante de rim
Ele usa medicamento que poderia oferecer risco, diz assessoria da filha. Ex-governador é doente renal crônico e está na fila do transplante há um ano

Os médicos que acompanham o ex-governador Joaquim Roriz cancelaram o transplante de rim previsto para a noite desta quarta-feira (23) por causa do uso de um medicamento que poderia oferecer riscos ao paciente. A informação foi confirmada pela assessoria de Liliane Roriz, filha do ex-governador.

Segundo a assessoria de Liliane, Joaquim Roriz vai continuar internado no Hospital do Rim e Hipertensão pelo menos até a manhã desta quinta-feira (24), quando os médicos vão avaliar o quadro clínico do paciente.

O ex-governador embarcou para São Paulo na tarde desta quarta-feira (22) depois do surgimento de um rim compatível. Diabético e doente renal crônico, ele tem 77 anos e está na fila para o transplante há mais de um ano. (Foto: G1/Reprodução) …

Uma das possibilidades é que Joaquim Roriz receba o órgão da deputada federal Jaqueline Roriz (PMN), filha dele, que foi internada na terça-feira (22) no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, para testes de compatibilidade.

Há duas semanas, a deputada realizou um exame que confirmou a compatibilidade. Em entrevista ao site “São Paulo nas Entrelinhas”, ela se disse feliz com o resultado dos testes.

“Estou muito feliz em ter recebido o resultado positivo do Hemocentro autorizando a cirurgia. Trata-se de uma instituição que é referência em Brasília e em todo o país. Vou doar com muita satisfação um de meus rins para o meu pai, Joaquim Roriz. A alegria é muito grande, pois, deu 100% de compatibilidade e tudo indica que o transplante será feito no dia 6 de agosto, data já marcada pelas duas equipes cirúrgicas”, declarou.

Nefrologista do Hospital Santa Lúcia, Elber Rocha disse que a cirurgia é indicada a pacientes que tenham uma disfunção renal grave, com comprometimento significativo dos dois rins. Segundo ele, diabetes é a causa mais comum de doenças renais crônicas no país, seguida por hipertensão.

O especialista afirma que a literatura médica mostra que doadores costumam ter uma vida semelhante à de quem vive com os dois rins e que por isso o transplante entre pessoas vivas é uma prática comum. “Recentemente, um artigo questionou isso. É algo muito novo, foi publicado há menos de um mês. O artigo demonstra que poderia haver um risco um pouco maior, de a longo prazo precisar de diálise, mas isso ainda é recente. O que se vê até hoje é que não há grandes implicações para quem doa”, explica.

Já em relação aos receptores, aumenta-se os riscos de desenvolver infecções e de doenças cardiovasculares. “Os imunossupressores [usados para inibir a rejeição do corpo ao órgão] diminuem a atividade do sistema imunológico”, disse.

Fonte: Portal G1 DF – 23/07/2014 

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: