Inflação oficial perde força e fica em 0,67% em abril, diz IBGE


Inflação oficial perde força e fica em 0,67% em abril, diz IBGE
Em março, variação do indicador foi de 0,92%.
Alimentos e transportes influenciaram desaceleração do IPCA.

Anay Cury e Cristiane CardosoDo G1, em São Paulo e no Rio

Em abril, os gastos relativos a alimentos e transportes subiram menos e influenciaram o comportamento da inflação oficial.

Usado como base para as metas do governo federal, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ficou em 0,67%, perdendo força em relação ao mês anterior, quando a taxa atingiu 0,92%.

No ano, com esses números de abril, o IPCA acumula variação de 2,86% e, em 12 meses, de 6,28%, dentro do teto da meta de inflação do Banco Central, que é de 6,5%. Em abril do ano passado, o indicador ficou em 0,55%.

Os dois grupos que mais tiveram influência sobre o IPCA de abril, o de alimentação e bebidas e o de transporte, tiveram suas taxas reduzidas de 1,92% para 1,19%, e de 1,38% para 0,32%, respectivamente.

No grupo alimentação e bebidas, subiram menos os preços dos alimentos consumidos dentro de casa, de 2,43% para 1,52%, e fora de casa, de 0,96% para 0,57%. O tomate, que foi considerado um dos grandes vilões da inflação de alimentos do ano passado e chegou a ficar 32,85% mais caro em março, desacelerou para 1,94% em abril.

De acordo com a coordenadora de Índices de Preços do IBGE, Eulina Nunes dos Santos, demanda e problemas climáticos vêm afetando os preços dos alimentos.

“Quando a renda aumenta, você tem uma pressão sobre os preços dos alimentos, os serviços também. E também têm acontecido os efeitos climáticos, não só no Brasil, como em outros países. Então, demanda e problemas climáticos vêm afetando os preços dos alimentos”, afirmou a coordenadora.

O IBGE explicou ainda que o preço das carnes foi diretamente afetado pelo período de estiagem. Outro destaque nos alimentos e bebidas foi a cerveja, que teve demanda aumentada por conta do período da Copa do Mundo.

Passagens aéreas sobem menos
Quanto aos preços relativos a transportes, o maior destaque veio da queda das passagens aéreas. Depois de os preços subirem 26,49% em março, recuaram para 1,87%. Também contribuiu para a desaceleração do índice do grupo o comportamento dos combustíveis. O etanol passou de 4,17% em março para 0,59% em abril e a gasolina, de 0,67% para 0,43%. No caso das tarifas dos ônibus urbanos, a alta de preços perdeu força: de 0,60% para 0,24%.

“Foi uma diferença significativa de um mês para o outro. O índice de abril quase faz uma inversão com o de março, onde os principais ‘preções’ vieram do grupo dos transportes – quando as passagens aéreas subiram muito em função principalmente do período do carnaval – e do grupo alimentação e bebidas, que parece que concentrou os prejuízos causados pela estiagem”, disse a coordenadora de Índices de Preços do IBGE.

De acordo com Eulina, nos últimos dois anos, considerando o acumulado em 12 meses, a taxa tem ficado em torno de 6%. “Os alimentos vêm pressionando a taxa significativamente nos últimos anos. O IPCA vem sendo pressionado pelos serviços e pelos alimentos que é um grupo importante, que mexe no bolso das famílias. É o primeiro grupo que mais pesa no bolso do consumidor. São 24,85% de peso no bolso, a partir dele vem o transporte.”

Entre os grupos pesquisados pelo IBGE, também registrou taxa menor o de despesas pessoais (de 0,79% para 0,31%), com pressões vindas da queda dos preços dos serviços de manicure, de 0,02%, e da desaceleração de custos relativos a empregado doméstico (de 1,28% para 0,58%) e cabeleireiro (de 0,79% para 0,03%).

Mais custos com habitação e cuidados pessoais
O grupo de saúde e cuidados pessoais mostrou taxas maiores em relação a março: de 0,43% para 1,01%, devido ao aumento – programado – nos preços dos remédios, cuja alta ficou em 1,84%.

Também mostrou aumento de preços o grupo de gastos com habitação (de 0,33% para 0,87%). O aumento ocorreu, principalmente, devido ao avanço de preços da energia elétrica, que foram reajustados em algumas capitais.

Na análise por regiões, a maior variação do IPCA foi registrada em Porto Alegre e em Fortaleza (1,08% em ambas). Já o menor índice foi o observado no Rio de Janeiro (0,42%).

INPC
O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), divulgado com o IPCA, apresentou variação de 0,78% em abril e ficou abaixo do resultado de 0,82% de março. No ano, o índice acumula alta de 2,90% e, em 12 meses, de 5,82%.

Os produtos alimentícios aumentaram 1,34% em abril, enquanto os não alimentícios ficaram com 0,54%. Em março, os resultados haviam sido 1,88% e 0,37%, respectivamente.

O INPC abrange as famílias de áreas metropolitanas com rendimentos mensais entre um e cinco salários mínimos, sendo o chefe um assalariado.
tópicos:

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: