Famílias da ocupação Copa do Povo prometem resistir à reintegração de posse


Famílias da ocupação Copa do Povo prometem resistir à reintegração de posse

Desocupação do terreno próximo ao Itaquerão deverá ser feita em 48 horas

Da Agência Brasil

Famílias se instalaram em terreno particular a 4 km do ItaquerãoDaia Oliver/R7

As mais de 2.800 mil famílias sem-teto que ocupam, desde o último sábado (3), umterreno em Itaquera, zona leste paulistana, prometem resistir à ação de reintegração de posse determinada na última quarta-feira (7) pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

A liminar, concedida pelo juiz Celso Maziteli Neto, autoriza a expedição de um mandado de despejo, caso eles não deixem o local voluntariamente em 48 horas. O MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) disse, por meio de nota, que vai recorrer da decisão em favor da Viver Incorporadora, “por considerá-la injusta e descriteriosa”.

Para o movimento, a medida desconsidera o fato de que a área está abandona há anos e, portanto, não cumpre função social. O MTST promete não sair da área até que haja negociação para uma solução habitacional digna para as famílias. Em caso de despejo forçado, o movimento promete resistir.

A nota diz:

— Não queremos outro massacre do Pinheirinho. Nem que a imagem da Copa do Mundo no Brasil seja definitivamente marcada por um conflito violento e massacre de trabalhadores sem-teto.

A ocupação, que teve início na madrugada de sábado, foi batizada de Copa do Povo, porque fica a apenas 4 quilômetros do estádio do Corinthians, o Itaquerão, que vai sediar a abertura dos jogos.

“Escolhemos esse terreno justamente para dialogar com esses contrastes da Copa do Mundo. Bilhões são gastos com o evento e do outro lado temos milhares de pessoas sem moradia”, explicou Josué Rocha, integrante do MTST. Ele destaca que o evento fez com que o preço dos aluguéis duplicasse, aumentando ainda mais o déficit habitacional na região.

O prefeito Fernando Haddad disse, na última segunda-feira (5), que avalia a possibilidade de transformar o terreno em área de interesse social por meio do Plano Diretor, que ainda vai ser votado em segunda discussão na Câmara de Vereadores.

A assessoria do vereador Nabil Bonduki, relator do plano, informou que o atual zoneamento define a área como predominantemente industrial. Disse ainda que essa alteração é possível por meio de emenda, mas que é necessária uma análise técnica sobre a viabilidade de um projeto habitacional no local.

A Viver Incorporadora informou, por meio de nota, que o terreno em questão é de sua propriedade e que não existe inadimplência de impostos em relação a essa área.


About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: