Estudo aponta que faltam espaços de convivência e mobilidade no DF

Como anda o coração da Capital da Esperança? No pulsar frenético da “cidade-avião”, um estudo demonstra que a cidade planejada para uma convivência harmoniosa e que atendesse às necessidades de sua população se afastou – e muito – de alcançar este objetivo.

Segundo tese de doutorado que analisou seis capitais brasileiras, dentre elas Brasília, a capital ficou em último lugar nos quesitos estrutura para convivência comunitária, como parques e praças, mobilidade urbana pelo transporte e ainda na gestão urbana.

Segundo o estudo, a cidade tem se desenvolvido permitindo irregularidades em prol do lucro, sem levar em conta a convivência e humanização nos espaços urbanos.

Muito ruim e ruim. Essas foram as notas atribuídas a Brasília quando analisados os espaços de convivência urbana, pelo doutor em arquitetura Ronald Bello. Ele avaliou aspectos como história, sociologia, psicologia e os fatores urbanos em si em um estudo que abrange ainda as capitais brasileiras Curitiba, Manaus, São Paulo, Natal e Belo Horizonte.

Foi observada a lógica de organização e real utilidade dos equipamentos públicos, estradas e demais espaços das cidades. A tese O Urbanismo de Exceção: Apontamentos para uma metodologia do urbano demonstrou como toda a lógica das cidades cresceu coordenada para alimentar interesses alheios aos objetivos de servir as pessoas.

Vinícius Borba
vinicius.borba@jornaldebrasilia
Fonte: Da redação do clicabrasilia.com.br

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: