Escândalo: Presidente do PT-DF é acusado de comprar votos de sem-terra nas eleições de 2010


Escândalo: Presidente do PT-DF é acusado de comprar votos de sem-terra nas eleições de 2010


  Já não é a primeira vez que se ouve falar de compras de votos em eleições. No entanto, os personagens envolvidos nesse episodio construíram sua trajetória combatendo ardentemente práticas políticas que remontam o coronelismo e o famigerado voto de cabresto. Nesse caso, um assentamento de sem terras em Unaí-MG, tornou-se um verdadeiro curral eleitoral para parte de uma tropa de elite do Partido dos Trabalhadores, acostumada a imprimir a máxima de Maquiavel, de que os fins justificam os meios.

Numa ação digna dos antigos tropeiros, a missão delegada ao Sr.Francisco Manoel foi de transportar no dia 03/10/2010 o “gado eleitoral” do distante assentamento em terras mineiras até as urnas da capital federal. Lanche garantido e “busão” na porta, o dono do título de eleitor só precisava copiar o número estampado nos santinhos distribuídos na entrada do coletivo e mandar ver para dentro da urna eleitoral. Pela condução da tropa, Sr. Francisco Manoel, meteu nos bolsos R$ 600,00 e ficou sonhando com os empregos prometidos no governo do “Novo Caminho”. Perdeu tropeiro! O busão foi apreendido com 41 “decididos” eleitores e Seu Francisco Manoel ficou vendo o sol nascer quadrado por alguns dias.

Condenado por crime eleitoral e abandonado por seus contratantes, Francisco Manoel resolveu dar o nome aos bois. No entanto, até hoje, esses bois continuam livres e soltos pastando no salão verde da Câmara dos Deputados e à sombra do Buriti.

Homem simples, pobre, abandonado, condenado e enganado, seu Francisco Manoel não perdeu a serenidade frente a uma câmera para singelamente apontar os supostos mandantes de sua aventura ilegal, que por fim se transformou no maior pesadelo para ele e sua família. Policarpo e Dona Socorro são os personagens ocultos dessa jornada, que muito bem poderia ter se passado em meados do século passado.


Video de Manoel  do Carmo Neto 


Para melhor entender essa história, não se pode deixar de ouvir o Sr. Edmilson Almeida Lopes, militante do PT e líder comunitário da Estrutural. Edmilson cumpria a tarefa de coordenador da campanha de Roberto Policarpo a deputado federal na cidade da Estrutural nas eleições de 2010. Pau para toda obra, a Edmilson foi confiada à missão de contratar seu Francisco Manoel para transportar os eleitores do assentamento no dia da eleição. Bem mais articulado que Francisco Manoel, Edmilson conta detalhes da empreitada, e ainda revela sua intimidade com os protagonistas dessa história. Edimilson afirma ter recebido ligação do próprio governador Agnelo Queiroz, que diante de sua reconhecida liderança na cidade da Estrutural, lhe pediu que aparasse todas as arestas na comunidade em relação à nomeação de Dona Maria do Socorro para exercer o cargo de Administradora da Estrutural, no qual permanece até hoje. Assista o vídeo aqui.


Depois de passar sete dias preso e aguardar por quase um ano um emprego público que não veio, o motorista de ônibus, Francisco Manoel do Carmo, resolveu revelar a parte mais importante da história: ele confessou que recebeu R$4.000 do deputado Policarpo.

Outro personagem que também teve seu acordo político quebrado foi o lavador de carros Edmilson Almeida Lopes. De acordo com revelações feitas por ele, outros nomes da política local também estiveram envolvidos no esquema de compra de votos nas eleições de 2010.

Para o desfecho dessa história, ele destaca pelo menos duas novas pessoas que estariam envolvidas no esquema. O ex-administrador do Vicente Pires, Disomar Chaves, que concorreu às eleições a deputado distrital em 2010, e o atual administrador da região, Glênio José.

Segundo Edmilson, os dois contrataram seus serviços para arregimentar eleitores de um assentamento chamado “Barreirinha”. “O Glênio simplesmente me passou o dinheiro e pediu para articular a campanha. No acordo de compras de votos, estava previsto distribuição dos santinhos com o número do deputado em quem o eleitor deveria votar, e o transporte deles para as zonas eleitorais. O meu erro foi não ter gravado o episódio”, relatou Edmilson Lopes.

Todavia, por não possuir provas suficientes que comprovasse a ação, por diversas vezes, segundo Edmilson, chegou ser ameaçado pelo administrador de Vicente Pires, Glênio José, que afirmava que a “corda só arrebenta por lado mais fraco”. E, era bom, ele não ir adiante com as acusações.

No entanto, a falta de fidelidade levou Edmilson revelar todo o esquema. Na época, o deputado Federal (PT) Roberto Policarpo, havia prometido indicar o Sr. Edimilson Lopes, a vaga de presidente do PT da cidade Estrutural, além de passar para ele a autoridade de indicar o administrador da cidade. No pacote de benefícios, Edmilson também teria a sua disposição 12 cargos no governo, podendo recomendar quem ele quisesse, inclusive a vaga Francisco Manoel como motorista, o que não ocorreu.

No entanto, o que parecia ser um conto de fadas terminou em pesadelo. Tudo quando o ônibus que Francisco Manoel dirigia, foi interceptado pela polícia no dia 3 de outubro de 2010. Na ocasião, com intuito de despistar a polícia, interrogado, Francisco contou que o ônibus fora emprestado por um empresário e todos ali eram fiéis da igreja Assembleia União da Fé.

Quanto ao motorista Francisco Manoel, pesa sobre ele, uma condenação por crime eleitoral. Por falta de informação sobre a situação econômica de Francisco, a justiça determinou que ele pagasse 200 dias de multa.

Toda ação foi comprovada após a Polícia Federal interrogar Francisco Manoel. Em um dos trechos da sentença do acusado, ele confirma que saiu da fazenda Barreirinha transportando 39 eleitores. “Eu fui incumbido de convencer essas pessoas a votarem no pré-candidato Roberto Policarpo. Fazendo isso, eu iria receber o R$ 1.500 pelo aluguel do ônibus, além de receber um salário de R$ 600.00”, afirmou o motorista. No trecho da sentença emitido pelo Tribunal Regional Eleitoral, consta que Socorro, esposa de Policarpo, pagou em espécie a quantia de R$ 3. 000 mil para o lavador de carro Edmilson Almeida, que repassou o dinheiro para o motorista Francisco Manoel.

O que mais intriga os envolvidos nessa história, no entanto, é que os acusados do esquema citados na reportagem, não recorreram à justiça para processar os acusadores. “Quando uma pessoa difama ou calunia outra, o que é feito? A pessoa que se sente ofendida vai até a justiça e processa o caluniador. Agora eu pergunto, porque Roberto Policarpo, administrador de Vicente Pires, Glênio José, e a administradora do Varjão, Maria do Socorro, não fizeram isso?”, Francisco levanta a pergunta e deixa no ar.

Em outubro de 2011 uma reportagem da revista Veja revelou que a polícia Legislativa da Câmara Federal, estava sendo usada como uma espécie de milícia do PT. Sem nenhum amparo legal, o lavador de carro Edmilson Almeida e o motorista Francisco Manoel, foram interrogados nas dependências da Câmara dos Deputados como suspeitos de uma suposta tentativa de chantagem contra o deputado petista Roberto Policarpo. Os “suspeitos” na verdade, são testemunhas de acusação contra o deputado em uma investigação da Polícia Federal.

Procurado pelo Guardian Notícias tanto o deputado federal Roberto Policarpo (PT) e o administrador de Vicentes Pires, Glênio José, não quiseram responder as denuncias quanto à contratação do serviço de Edmilson Almeida Lopes, para cooptar eleitores do assentamento barreiro munícipio de Unaí-Mg para votar em Roberto Policarpo.

Já Maria do Socorro, esposa do deputado Roberto Policarpo, afirmou que sabe da história, porém, desmente a versão de Edmilson. “Não ouve entrega de nenhum dinheiro para esse fim. Essa história é mentira. O deputado Roberto Policarpo é um homem sério, e jamais participaria de um negócio como esse”, afirmou Socorro.

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: