DF: Disputa por vices na Justiça


DF: Disputa por vices na Justiça
Partidos deixam para o último dia, amanhã, o registro das candidaturas no TRE. Para Arruda e Pitiman, ainda faltam definições.

Arruda vai manter Eliana na chapa, apesar da intervenção de Roberto Freire…

Às vésperas do encerramento do prazo final da Justiça Eleitoral, nenhuma chapa majoritária registrou as candidaturas no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Distrito Federal. Todos devem deixar para amanhã, último dia, para entrar oficialmente na disputa ao Palácio do Buriti. A principal dúvida, no entanto, ocorre nos cargos de vice de José Roberto Arruda (PR) e de Luiz Pitiman (PSDB) que estão num cabo de guerra pela coligação com o PPS.

Deputada distrital entrou com pedido de liminar para validar convenção.

Anunciada como candidata a vice na chapa de Arruda no início da semana com a confirmação do diretório regional do PPS, a distrital Eliana Pedrosa recorreu à Justiça contra a intervenção nacional. A deputada discursou como vice de Arruda em evento do PR-DF na última segunda-feira, mas a executiva nacional da legenda, presidida pelo deputado federal Roberto Freire (SP), vetou a aliança. A deputada entrou com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no início da noite de quarta-feira, sob o fundamento de que a deliberação da convenção pelo apoio a Arruda é legítima e não pode ser contrariada pelo partido.

A direção nacional do PPS nacional, em resolução, vetou acordos com grupos aliados ao PT e à reeleição da presidente Dilma Rousseff. Os acordos regionais que incluam partidos da base devem ser autorizados com antecedência pelo diretório nacional. É nesse ponto que o Freire se apega para considerar que Eliana desrespeitou uma deliberação superior. Freire disse ao Correio que é contra qualquer tipo de composição com o grupo do ex-governador Arruda. Nos bastidores, ele tem demonstrado irritação com a insistência de Eliana. A distrital chegou ao partido em setembro do ano passado para ser candidata ao Palácio do Buriti, mas não conseguiu construir um grupo com outros partidos em torno do seu nome.

Pitiman tem a bênção da direção nacional para coligação com o PPS.

Com a bênção nacional, a comissão interventora distrital do PPS, presidida por Francisco Carlos de Andrade, fechou acordo com o PSDB, de Luiz Pitiman, e já está discutindo a formação das nominatas proporcionais. O outro partido da aliança é o PSDC. Mas, com a judicialização do caso, o futuro é incerto. No mandado de segurança interposto no TSE, Eliana pede liminar para validar a aliança com Arruda. O caso está sob responsabilidade da ministra Luciana Lóssio e até ontem à noite não tinha andamento.

O PPS segue procurando alguma saída fora dos tribunais. “Continuamos tentando encontrar uma conciliação com o grupo da deputada Eliana Pedrosa. Ela não quer ser vice do Pitiman, então que seja candidata à Câmara dos Deputados. Ela tem grandes chances de ser eleita. O que não podemos é continuar com essa disputa. O nosso prazo está acabando. Isso é péssimo para ela e para o partido”, reclama Andrade.

Os interventores se reuniram ontem com Eliana na sede do partido, na Asa Sul. Mas ela continua irredutível. Procurada pela Correio, a assessoria da distrital não quis se posicionar sobre o assunto, sequer confirmando que houvesse algum andamento judicial no caso.

Definidos

Enquanto continuam as indefinições em torno do PPS, outras composições já estão com a situação bem mais adiantada. O grupo que primeiro estabeleceu seu rumo foi o do atual governador, Agnelo Queiroz (PT). A reedição da aliança com o PMDB, do vice Tadeu Filippelli, que levou o petista à vitória em 2010, foi acertada informalmente ainda no ano passado – a coligação tem, no total, 16 partidos. Depois disso, os nomes passaram pelas convenções partidárias, em junho. O que falta é fechar de vez os suplentes do candidato petista ao Senado, Geraldo Magela. As indicações ainda estão sendo discutidas na base.


Outro grupo já definido é o que tem à frente PSB/Rede Sustentabilidade, PSD e PDT. A aliança definiu Rodrigo Rollemberg (PSB) para o governo, com Renato Santana (PSD) de vice e José Antônio Reguffe (PDT) para o Senado – os suplentes serão José Carlos Vasconcelos, do PDT, e Fadi Faraj, do Solidariedade. A aliança de esquerda entre PSol, PSTU e PCB também já escolheu os seus nomes. Antônio Carlos de Andrade, o Toninho do PSol, será o candidato ao governo, compondo chapa com Professor Guinle (PSTU) e com Aldemário Castro (PSol) para o Senado.

Calendário

Acaba amanhã, às 19 horas, o prazo para registro das chapas, coligações e candidaturas majoritárias e proporcionais. O expediente no TRE, que recebe a documentação dos candidatos será reduzido hoje, entre as 8h e as 12h30, por causa do jogo do Brasil. No sábado, apesar da partida entre Argentina e Bélgica no Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha (às 13h), os trabalhos ocorrem sem intervalo entre as 10h e as 19h.

“Continuamos tentando encontrar uma conciliação com o grupo da deputada Eliana Pedrosa. Ela não quer ser vice do Pitiman, então que seja candidata à Câmara dos Deputados”

Chico Andrade, presidente da comissão interventora do PPS no DF

Fonte: Por ALMIRO MARCOS, Correio Braziliense – 04/07/201

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: