Deputados, sindicalistas e membros do governo sem acordo sobre o fim da greve

A reunião foi no gabinete da presidência da Câmara Legislativa. GDF promete entregar calendário sobre pagamento dos reajustes dos servidores.deputados-sindicalistas-e-membros-do-governo-sem-acordo-sobre-o-fim-da-greve

Deputados, sindicalistas e membros do governo não entraram em acordo, nesta terça-feira (20), sobre o fim da greve e a apresentação de um cronograma para o pagamento dos reajustes concedidos ainda no governo passado. Após o governo pedir prazo para apresentar o calendário apenas na próxima terça-feira (27), os distritais conseguiram intervir e antecipar para sexta-feira (23), mas o governo não garantiu que a entrega das prováveis datas signifique recursos para o pagamento dos aumentos salariais.

Propostas

Durante a reunião, o governo apresentou ainda um conjunto de 11 propostas, entre elas algumas que significam aumento de tributos. Por isso, apenas sete conseguiram acordo entre os parlamentares. Entretanto, as matérias só devem seguir adiante depois da apresentação do documento com as datas para o pagamento e as garantias de que os aumentos serão pagos.

“Nós conseguimos fazer com que o governo apresente um cronograma na sexta-feira, mas os sindicatos queriam que fosse antes. Estamos acertando agora votar um pacote de projetos, desde que isso não signifique aumento de impostos para a população”, declarou a presidente da Câmara Legislativa, Celina Leão (PDT).

Entre as 11 propostas apresentadas aos deputados estão a venda de 32 imóveis do GDF, além de outros da SAB (Sociedade de Abastecimento de Brasília), que garantiria ao governo uma arrecadação de R$ 900 milhões.

Há também alguns aumentos de tributos, como o ICMS para empresas de venda no atacado de 12% para 15% e a abertura para que empresas de fora venham comprar no DF, já que em outros estados o mesmo imposto de alíquota de 18%.

Avanços

Apesar dos sindicatos não recuarem na greve e acusarem o governo de não querer negociar, o secretário de Relações Institucionais, Marcos Dantas, acredita que a reunião proporcionou avanços entre as partes.

“Tivemos avanços importantes, principalmente porque apresentaremos o calendário. Neste momento, o governo está preocupado em conseguir recursos para pagar salários. Até por isso, o governador está no Rio de Janeiro tentando receber uma dívida que a Petrobras tem com o DF de R$ 370 milhões”, afirmou Marcos Dantas.

De acordo com a presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, o governo disse que não calculou os valores de quanto o aumento de cada categoria representará separadamente. Mas, a informação foi negada pelos representantes do governo, que, ainda assim, não apresentou os dados do impacto que os reajustes representaram para os cofres públicos. “Nós não podemos fazer o pagamento de qualquer jeito, pois temos responsabilidade. O governo precisa de recursos para poder fazer o pagamento e não fazer como o governo federal, que foi condenado por fazer da forma errada”, ponderou Dantas.

De acordo com o futuro secretário-adjunto de Relações Institucionais, Igor Tokarski, a preocupação do governo nos últimos meses foi conseguir recursos para o pagamento dos salários.

“No nosso entendimento não houve, nessa reunião, vencedores ou derrotados. Também não houve demora nas negociações. Este governo tem se empenhado em resolver a questão desde o primeiro momento”, afirmou Tokarski.

Reunião

A reunião, na Câmara Legislativa, teve a participação de praticamente todos os parlamentares, que criticaram a demora do governo em apresentar o cronograma com os pagamentos.

“O que não dá mais é o governo ficar dizendo que não tem dinheiro e não pagar os reajustes. Nós aprovamos reajustes de impostos que dão ao governo mais de R$ 1,4 bilhão. Não dá mais para o governo dizer que não tem recursos”, criticou Ricardo Vale (PT).

A análise dos parlamentares é que o governo saiu enfraquecido com a intervenção do Legislativo. Em quase duas semanas de greves, o governo não havia conseguido avançar na apresentação de um cronograma de pagamento dos reajustes.

Já a presidente da CLDF, Celina Leão, preferiu não colocar mais lenha no fogo. “Esse é apenas o papel da Câmara Legislativa. Desde o início da greve, o governo sempre soube que a Casa estava ao lado dos servidores, que é o nosso papel”.

http://fatoonline.com.br/conteudo/10954/deputados-sindicalistas-e-membros-do-governo-sem-acordo-sobre-o-fim-da-greve?or=he-bra&p=d3&i=3&v=0

 

About Germano Guedes

Olá Pessoal, Sou Germano Guedes, criador do site “a politica e o poder”. Baiano, morador da Estrutural desde 99, cheguei a Capital Federal para tentar a vida como milhares de outras pessoas. Ao chegar na Estrutural, começei a participar de discussões que visavam a melhoria da qualidade de vida na Cidade. Vi que alguns grupos já formados, ” monopolizavam” os moradores e inclusive, a informação que chegava até a comunidade. Nessa condição, resolvi criar um blog – meio que possibilitaria levar informação as pessoas. Neste canal, soltei o verbo e começei a dizer o que eu realmente pensava sobre o que acontecia na Estrutural. Abordei vários assuntos polêmicos, revelei notícias “bombas” e muitas vezes, tive que desmascarar grupos organizados que não pensavam no interesse da população – como diz o ditado ” era só venha a nós” e a população que se vire. Como Prefeito Comunitário pude participar mais ativamente das ações políticas que discutiam a Estrutural. Lixão, instalação de creches, reabertura de escolas e a regularização de alvará dos comerciantes eram algumas de nossas reivindicações. No ano de 2014, fui indicado pelo meu Partido – PRB – a vaga de administrador da Cidade. Continuo abastecendo o site com notícias e assuntos polêmicos, dizendo realmente o que penso. Porém, agora somos uma equipe e ” A Política e o Poder”, além de abordar assuntos correlatos à Estrutural, terá uma discussão voltada para todo o Distrito Federal, garantido informação e notícias exclusivas a todos os brasilienses que nos acompanham.
%d blogueiros gostam disto: