Conheça a história do homem que condenou Jesus


Conheça a história do homem que condenou Jesus
E saiba que argumentos ele usou para isso

Por Andre Batista / Foto: Thinkstock

Quando ele recebeu os dois apóstolos diante de si já carregava um grande peso nas costas. Não apenas por ser um dos principais homens daquele povo, mas pelas atitudes que, ao longo de sua história, o fizeram ser respeitado por uns e odiado por outros.

Foi ele que, diante dos sacerdotes, dos religiosos e de todos aqueles que queriam conservar o poder, decidiu o destino daquele que era chamado o Cristo. Sumo sacerdote do ano, genro de seu antecessor, Anás, Caifás concordou que se o Jesus nazareno seguisse operando milagres diante de todos e ensinando coisas que nem mesmo os religiosos podiam ensinar, ganharia mais e mais seguidores. E isso era um problema.

Era importante que a igreja mantivesse seu poder e, para isso, ninguém podia contestar as ordens dadas pelos sacerdotes. Se os seguidores de Jesus entendessem suas palavras e se levantassem contra os religiosos, pouco esses poderiam fazer para salvar o seu poder.

“Vós nada sabeis, nem considerais que vos convém que morra um só homem pelo povo e que não venha a perecer toda a nação.”

Foi o que ele disse. Não sobre si, obviamente, mas sobre Aquele que vinha angariando multidões atrás de si. E assim ficou decidido que Jesus morreria pelas mãos daquele povo.
Os dois apóstolos que foram levados até Caifás não se abalavam diante da presença daquela autoridade. Para eles, muito mais poder tinha Quem ensinou os dois. Foram levados ali porque andavam fazendo milagres e ensinando ao povo sobre a ressuscitação da carne, sobre aquilo que viram.

Estavam presentes Caifás, Anás e seus filhos, e, apesar de tantos homens instruídos, nenhum deles pôde encontrar um jeito de mentir ao povo dizendo contra aqueles homens. Pedro e João, os apóstolos do mesmo Jesus de quem Caifás decretou a morte, haviam aprendido com seu Mestre como falar em nome de Deus e, dessa forma, era impossível contradizê-los.

Não era a primeira vez que Pedro ficava na presença de Caifás. Da vez mais impactante, o apóstolo viu seu Ensinador ser espancado e torturado durante a madrugada.

“Este disse: Posso destruir o santuário de Deus e reedificá-lo em três dias”, falaram dois homens que estavam ali para condenar Jesus. Procuravam crimes que Jesus haveria cometido, mas nada encontravam de ruim sobre o homem.

“Eu te conjuro pelo Deus vivo que nos digas se tu és o Cristo, o Filho de Deus”, insistiu Caifás diante do silêncio do réu.

“Tu o disseste; entretanto, eu vos declaro que, desde agora, vereis o Filho do Homem assentado à direita do Todo-Poderoso e vindo sobre as nuvens do céu”, respondeu o Outro.

“Blasfemou!” Gritava Caifás em seu acesso de raiva e satisfação por ter finalmente pego o Homem. “Que necessidade mais temos de testemunhas? Eis que ouvistes agora a blasfêmia!” E rasgou as roupas de Jesus.

Voltando-se ao público, que parecia celebrar junto a ele pelo espetáculo, bradou: “Que vos parece?”

E ouviu a resposta em uníssono: “É réu de morte.”


Pedro e João foram intimados à presença do sumo sacerdote para que pudessem ser parados, mas isso não foi possível. Caifás ordenou então que eles operassem seus milagres, mas não falassem em nome de Jesus, mas esses negaram o disparate.

Quando Caifás e os seus levaram Jesus ao governador Pilatos e viram que, por vias religiosas, não poderiam condenar Jesus, o sumo sacerdote teve a inteligência de implantar em Pilatos a ideia de que Jesus falava em depor o imperador de Roma.

Ora! Na época isso era crime de morte e os que criam em Jesus o chamavam de “O Rei filho de Davi”. Algumas vezes, o próprio Nazareno dissera que era o Filho do Homem, que estava sobre o Reino dos Céus e o reino dos filhos de Deus.

Distorcer as palavras de Jesus foi fácil, fazer Seus servos se calarem, não. E os dois foram embora dali, deixando para trás a preocupação de que aquela tormenta nunca acabaria para os sacerdotes.

Esses foram os feitos de Caifás, que, durante os anos 18 e 37, foi sumo sacerdote dos judeus. E seu nome entrou para a História como o homem que condenou Jesus.


About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: