comparar a minha pessoa com Wilmar, é fim dos tempo


Adoaldo Dias
HISTÓRIA DA CASINHA E A ESTRIBARIA

Germano Guedes, esta também é pra você.
Caro Wilmar Lacerda, li seu texto. Infelizmente não me comovi e nem me emocionei e tenho certeza absoluta, que você fez este comentário através da foto da humilde casa em Caxias Maranhão, que também não foi para comover a sociedade e nem tão pouco para convencer o eleitorado votar no candidato do PT de Caxias, mas que sua intenção através deste ato é simplesmente fazer
com que as pessoas valorizem os governos Dilma e Lula e você está certíssimo, em agir desta maneira. Até porque, você faz parte destes governos.
Apesar de eu ser de uma cidade simples e conhecida por Governador Archer, também no maranhão e todos os meus familiares serem do Maranhão e do Ceará, tenho prazer de lhe dizer, que não precisamos sair do Distrito Federal, para ver a desgraça e miséria social, que pairam sobre a sociedade brasileira. O que falta na verdade, são os governantes se atentarem com mais apreço em defesa da qualidade de vida, de quem os mantém no poder.
Quando digo que não me emocionei e nem me comovi é porque não preciso nem sai da minha casa aqui na Estrutural/DF, para ver tanta miséria e desgraças sociais sobre as pessoas lá no maranhão.
Se no Maranhão que tem a Família Saney como dona de parte dele é assim, nos outros estados não tem a menor diferença e isto se deve a falta de responsabilidade governamental que todos já sabem da situação de miséria que cai sobres os pobres em seus estados; mas que para combater este dano contra a vida humana, não se prestam com responsabilidade neste assunto.
Uma coisa que eles governantes deveriam se portar com carinho, em se tratando de quem só tem mesmo o direito de votar. Uma vez saber, que estas autoridades governamentais, são mantidas no poder, por quem humilde só tem mesmo como direito, o dever e a obrigação de fazer jus, uma cidadania democrática, apenas em época de eleição. Já quem é mantido no poder, não faz nada, além de promessas enganosas.
Segundo informações dos meios de comunicações brasileiros, 60% do povo maranhense são analfabetos e ainda vivem sob um absurdo de miséria. Ou seja, abaixo da linha da pobreza.
Para se ter uma certeza deste desmando social, não é precisamos ir ao maranhão e nem a outro qualquer estado que seja do Brasil. É necessário que os governantes olhem com mais atenção para os seus lugares de origem. O que é muito difícil aqui no Distrito Federal, já que no DF, nunca teve governos nascidos aqui, a não o Paulo Otávio, o Vice-governador de José Roberto Arruda; os quais nunca pensaram na qualidade de vida das periferias do DF e sim em se dar de bem, às custas da desgraça alheia, que é sacrificar as comunidades das favelas. O mesmo não passo falar de você, o qual das autoridades que andaram na minha chácara, foi o único que ao andar minha chácara, vivia com a preocupação e só perguntando onde era minha casa.
Como não tinha casa, mostrei a você, aquela estribaria que servia apenas para eu dormir.
Você não sabe o quanto foi difícil pra mim, naquele momento em ter que lhe mostrar o meu ambiente de moradia.
Lembro perfeitamente, quando você olhou pra mim e perguntou-me dizendo:
“-Duda esta é tua casa”?
-Com um sentimento de tristeza e vergonha lhe respondi: sim. Este é o lugar onde moro há quase 20 anos.
-Outra vez você pergunta:
-“Duda, por que isto”?
-Mais uma vez lhe respondo, fazendo outra pergunta: você quer mesmo saber? Pois bem. Tudo isto é porque não existe um compromisso sério, por parte de quem quer que seja o governo, em condicionar uma qualidade de vida para a sociedade brasileira. O que existem na verdade, são governos que tem como finalidade, apenas explorar os pobre e ao mesmo tempo fazerem uso da miséria que assola impiedosamente esta sociedade brasileira, somente com a intenção de se promoverem politicamente.
-Você com um olhar de bastante seriedade e muito certo da pergunta que queria fazer novamente perguntou:
-“Duda tu tens fé em Deus”?
-Sem muito pensar lhe respondi que sim e logo você fez outro questionamento, com os seguintes dizeres:
-“Duda, sabendo desta beleza natural que criastes nesta localidade, sei o quanto foi sacrifício, para adequares o teu ambiente de moradia nesta localidade, automaticamente acredito, que certamente tens fé em Deus”. “Por isto te digo o seguinte: não vacilas em momento algum e seguras isto aqui, ao máximo que puderes”! “Não assines qualquer que seja o documento que virem trazer para ti, em se tratando da tua remoção deste lugar”! “Ainda te digo mais: o nosso governador Arruda é doido; mas ele não rasga dinheiro”.
Amigo, Wilmar, não sei se você está lembrado desta pequena conversa, ainda quando você veio comemorar a posse do Ismael, quando ele ganhou a Prefeitura Regional Comunitária da Cidade Estrutural/DF, ainda em Outubro de 2008.
Apesar não ter esquecido aquele momento de grande confiança que você passou a mim, quatro anos se passaram; o povo do Setor Santa Luzia foi removido para o Núcleo Rural Monjolo; no Recanto das Emas/DF e eu estou aqui ilhado por uma barraqueira que não tem mais fim. Tudo isto se deve, somente à falta de compromisso de governos, que realmente não estão nenhum pouco preocupados com a qualidade de vida das pessoas, as quais desumanamente continuam vivendo sob um manto de miséria absoluta e hereditária que lentamente está matando as pessoas pelo cansaço, de tanto esperarem, por governos que não fazem outra coisa, sem que não sejam, apenas enganar toda comunidade.
Para concluir, quero lhe dizer, que não estou mais naquela estribaria e todo se deve, graças a Deus, ao acumulo de barracos encostados em minha chara, por pessoas que reocuparam as áreas desocupadas, naquela época em que as pessoas moravam nestas áreas, tiveram que assinar um termo, que comprometia somente quem o assinasse. Ao GDF, coube então somente, jogar as pessoas de qualquer jeito lá no Monjolo e deixar, que o resto Deus cuidasse.
Aqui finalizo meu desabafo, não contra sua pessoa. Afinal, para mim, você foi e sempre e será um grande companheiro e o quero muito ter como amigo, não só na questão política, mas em todos os sentidos, que a vida nos proporcionar, independentemente da herança maldita que perpetua sobre o nosso governo atual e principalmente aqui na estrutural, a qual está totalmente reinvadia, nestes dois anos de governo que se findam.
Sem mais, o meu grande abraço e minhas saudações a todas as pessoas que fazem parte deste Governo Copa do Mundo.
Este texto é da autoria do Duda de Frente com a Comunidade, o Repórter da Cidade Estrutural/DF.

  Fonte facebook
Adoaldo Dias

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: