Católicos invadem e destroem igreja evangélica no México

Ainda repercute no México o acirrado conflito entre católicos e evangélicos que se desenrola no estado de Oaxaca. Desde que assumiu o poder, o prefeito Pedro Cruz González vem fazendo ameaças de que irá queimar e jogar do precipício todos os “não católicos” da cidade de San Juan Ozolotepec, administrada por ele.

Algum tempo atrás, o município instituiu uma taxa de 7 mil pesos que os evangélicos precisam pagar se desejam realizar seus cultos. Dois anos atrás, os moradores testemunharam uma grande polêmica quando ficou decidido que toda pessoa pertencente a uma religião diferente do catolicismo não podia mais ser enterrado no cemitério municipal. Apesar das diversas denúncias, o governo federal do México não tomou providências.

O pastor Leopoldo Alonso Silva, da Igreja Cristã Independente Getsêmani, informou que, por serem minoria, a comunidade evangélica tem sofrido muita perseguição e só lhes resta orar. Entre as 18 crianças que frequentam sua igreja, uma delas foi expulsa da escola porque seus colegas de escola a agrediam e a situação estava gerando problemas.

Ele conta que existe uma grande pressão de certas famílias católicas da cidade para que o mesmo ocorra com os filhos de todas as famílias evangélicas.Várias leis municipais foram proclamadas nos últimos anos com caráter discriminatório aos que não frequentam a igreja católica. As autoridades já proibiram a construção de novos templos evangélicos no passado.

Em novembro, um grande grupo de católicos radicais atacou e destruiu parte de um templo pentecostal que estava em construção. Usando marretas e picaretas, vandalizaram a estrutura. Armados de pedras e varas, alguns invadiram o local e entraram em combate corporal com os fieis. O resultado foram 4 pessoas presas, todos evangélicos, incluindo o pastor da igreja.O assunto teve repercussão nacional e a Comissão Nacional de Direitos Humanos divulgou que a polícia irá investigar por que o prefeito “ordenou a demolição do templo, além do linchamento, encarceramento e tortura dos seguidores da congregação religiosa”.

“Só pela graça de Deus ainda estamos vivos, porque eles vieram sobre nós com toda fúria, usando barras de ferro e pedras… ameaçaram queimar-nos apenas por querer ajudar nossos familiares, que são vítimas de abuso de autoridade pelo intolerante prefeito municipal”, desabafa. Leopoldo Alonso, filho de Alfredo, é o pastor da igreja vandalizado, um dos quatro evangélicos que ficaram presos durante 5 dias e só foram soltos após o caso repercutir tanto que as autoridades estaduais interviram na cidade.

Agora, o governo federal mexicano avisou que o prefeito Gonzalez poderá enfrentar acusações criminais após o caso ser apurado. É sabido que abusos contra evangélicos por parte de católicos são corriqueiros nos Estados de Chiapas, Guerrero, Hidalgo e Puebla. 


Com informações Acontecer Cristiano.
Be Sociable, Share!

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: