Argélia quebra tabu de 32 anos e bate a Coreia do Sul em grande jogo


Empurrada por sua numerosa torcida presente no Beira-Rio, a Argélia dominou completamente o primeiro tempo

Nunca uma seleção africana havia marcado mais de três gols em um jogo de Copa do Mundo. Há 32 anos a Argélia não vencia uma partida pelo Mundial. Estes dois tabus foram quebrados em alto estilo pela seleção argelina neste domingo, em Porto Alegre. Com uma grande atuação, a equipe do norte da África bateu a Coreia do Sul por 4 a 2 e ficou perto de se classificar para as oitavas de final pela primeira vez. Slimani, Halliche, Djabou e Brahimi fizeram os gols da Argélia, enquanto Hung Min e Ja Cheol descontaram para os coreanos.

Empurrada por sua numerosa e barulhenta torcida presente no Beira-Rio, a Argélia dominou completamente o primeiro tempo. Aproveitou as inúmeras falhas do sistema defensivo coreano e aplicou 3 a 0 com muita facilidade. A Coreia do Sul voltou do intervalo disposta a buscar a larga desvantagem, descontou cedo, mas o quarto gol argelino, aos 17 minutos, esfriou a tentativa de reação. Os coreanos chegaram a descontar de novo, mas jamais puseram em risco a vitória da Argélia.

Com a vitória, a Argélia assume a vice-liderança do Grupo H, com 3 pontos, contra 1 da Coreia do Sul e da Rússia. Com um empate diante dos russos, a seleção africana praticamente garante vaga nas oitavas pela primeira vez em sua história. Na última rodada, os coreanos enfrentam a Bélgica, na Arena Corinthians, em São Paulo. Já os argelinos pegam a Rússia, na Arena da Baixada, em Curitiba. Os dois jogos estão marcados para quinta-feira, às 17h, horário de Brasília.

O jogo – Animada com a maciça e barulhenta presença de argelinos no Beira-Rio, a seleção africana partiu para cima e teve sua primeira boa chegada logo antes de um minuto, em um chute de Djabou para fora. Aos 3, a Argélia teve um pênalti não marcado a seu favor, em chegada de carrinho sobre Feghouli dentro da área. No rebote, Brahimi chutou por cima. Aos 8, Feghouli bateu escanteio na cabeça de Slimane, mas o toque foi na rede pelo lado de fora.

Aos 20 minutos, outra grande chance: a zaga coreana falhou após cruzamento e Slimane ficou livre para marcar, mas errou o domínio e perdeu grande chance. Cinco minutos mais tarde, o matador não perdoou: Slimane recebeu lançamento longo, ganhou na velocidade e tocou na saída de Sung Ryong: Argélia 1 a 0.

Mal saiu a bola e os argelinos quase ampliaram, em chute de Brahimi, livre, que desviou na zaga e saiu para escanteio. Na cobrança, Sung Ryong saiu mal e Halliche ganhou pelo alto, fazendo o segundo gol argelino, para delírio da torcida em Porto Alegre. Superior física e tecnicamente, a Argélia não tardou a fazer o terceiro: aos 37, Jeong Ho errou ao afastar cruzamento, Slimani apanhou o rebote na área e achou Djabou livre para fazer 3 a 0.

A Coreia do Sul voltou para o segundo tempo disposta a acabar com o fiasco, partindo para cima da Argélia. Aos quatro minutos, Heung Min ganhou da marcação e bateu rasteiro, diminuindo o placar. Os argelinos quase fizeram o quarto aos seis, em cabeçada de Halliche defendida por Sung Ryong. Aos 10, porém, a Coreia quase surpreendeu a Argélia ao cobrar rápido uma falta, mas M’Bolhi salvou. O goleirão argelino fez ainda uma grande defesa aos 13, buscando no ângulo um chutaço de longe de Ki Sung Yong.

Quando a Coreia do Sul parecia perto de diminuir ainda mais o placar, a Argélia ampliou. Aos 17, Feghouli fez grande jogada pelo meio, tabelou com Brahimi, recebeu de volta e deixou o companheiro livre para fazer 4 a 1. O gol esfriou a reação coreana, mas aos 27 a equipe asiática voltou a descontar: após cruzamento na área, Keun Ho encostou para o gol de Ja Cheol.

A partida seguiu eletrizante. Aos 33, Ghillas subiu mais que a zaga coreana e quase fez o quinto da Argélia. A Coreia do Sul quase fez o seu terceiro aos 42, com Dong-Won apanhando rebote com chute cruzado que passou perto. No fim, com a confirmação da vitória, muita festa argelina no Beira-Rio. Desde 1982 a equipe africana não ganhava uma partida de Copa do Mundo.

Fonte: Gazeta Esportiva

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: