Agnelo bate na porta de Roriz para esvaziar a candidatura de Arruda


Depois de passar anos responsabilizando o ex-governador Joaquim Roriz (PRTB) por todas as mazelas acontecidas no Distrito Federal, o governador Agnelo Queiroz (PT) decidiu fazer um mea culpa e bater na porta do seu principal adversário político. Vai pedir apoio ao dono do maior celeiro de votos na capital da República, para esvaziar a candidatura de José Roberto Arruda (PR).

A visita está programada para os próximos dias. Agnelo espera apenas uma definição do quadro de saúde de Roriz, prestes a se submeter a um transplante renal, para agendar a reunião. O governador está disposto a propor uma aliança branca.

O plano de Agnelo é reproduzir nas eleições de outubro a tradicional traição dos currais eleitorais de coronéis da política. A proposta dele é inverter a ‘chapa camarão’. Mantém-se a cabeça (no caso, ele, Agnelo) e tira-se o corpo (literalmente) representado pela candidatura do também petista Geraldo Magela ao Senado.

Os artífices desse encontro sugerem uma quebra informal na busca de votos para a chapa majoritária do PT. Se acontecer de Joaquim Roriz aceitar a proposta, a parte da aliança PT-PMDB que segue as orientações de Agnelo e do vice Tadeu Filippelli, trabalharia para reeleger o senador Gim Argello (PTB).

A ida de Agnelo a Roriz demonstra o desespero que tem tomado conta das hostes petistas. O governador jogou todas as fichas na impugnação da candidatura se Arruda. Mas, embora condenado, o candidato do PR tem fortes possibilidades de se manter na disputa em função de questionamentos sobre prazos na Lei da Ficha Limpa.

Vivendo sob o impacto de uma rejeição cada vez mais crescente do eleitorado, Agnelo avalia que, sem o apoio de Roriz, verá sua reeleição fracassada. Além disso, sabe que não conseguirá fazer uma boa bancada na Câmara Legislativa. Surge, aí, mais uma carta na manga. Na eventualidade de se reeleger (com os votos do clã rorizista) o petista usaria sua caneta para, num eventual segundo mandato, eleger a distrital Liliane Roriz presidente da Câmara Legislativa.

Analistas políticos consideram Liliane a herdeira natural do rorizismo. Caso tenha sucesso na conversa que pretende ter com Roriz, o governador Agnelo Queiroz vai tirar mais uma carta da manga: a promessa de que Liliane será sua candidata natural ao Palácio do Buriti em 2018.

Resta saber se Roriz vai confiar em Agnelo. Raposa política, o ex-governador conviveu com traições. Traiu e foi traído. Na dúvida, há quem sustente que Roriz prefira continuar arrudeando. Vai reeleger Gim com o seu nome e o dinheiro de Luiz Estêvão e sepultar de vez Agnelo e Filippelli, colocando Arruda no Buriti. Quanto a 2018, o velho cacique sabe que a faixa de governadora já está garantida para Liliane. E que o tempo de traições ficou para trás.

Felipe Meirelles

Notibras

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: