Brasil 247. Dilma afiada usa estilo ‘bateu, levou’ em campanha


Dilma afiada usa estilo ‘bateu, levou’ em campanha

  
  Presidente não deixa provocação sem resposta; em entrevistas longas, como a concedida ontem, falas ligeiras ou discursos, Dilma Rousseff mostra que deixou no passado o figurino paz e amor que prevaleceu na campanha de 2010; para se desvencilhar dos ataques da oposição, agora ela aposta na sinceridade sem meias palavras; “O pessimismo pré-Copa está agora na economia”, definiu sobre projeções catastrofistas do mercado financeiro; “Bancos interferirem na política é inadmissível”, estabeleceu na direção do mercado financeiro após o imbróglio da recomendação partidária e oposicionista do Santander; “O que acontece em Israel é um massacre”, crava em política internacional; programa de televisão vai usar e abusar de comparações entre gestões petista e tucana; agora é ‘bateu, levou’


Brasil 247 –
A presidente Dilma Rousseff deixou no cabide o figurino de candidata vestido em 2010, quando venceu a disputa usando um modelito do melhor estilo ‘paz e amor’. Protegida pelo então presidente Lula, ela não precisou entrar em bolas divididas com o adversário José Serra e flanou sobre o eleitorado enquanto seu padrinho político se encarregava de comprar suas brigas.

Agora é diferente, já se viu na longa entrevista à mídia tradicional concedida ontem pela presidente. Diante de uma certa pressão nas perguntas, o que se viu foi uma Dilma segura, objetiva e nada disposta a aceitar calada as críticas feitas ao seu governo. Ela igualmente não se incomodou em deixar, com frases curtas e palavras fortes, suas posições sobre temas do momento.
Essa Dilma que parece à vontade no chamado estilo ‘bateu, levou’ surge nitidamente em suas posições a respeito dos ataques desferidos, diariamente, à gestão da política econômica:

– O pessimismo da fase pré-Copa passou para a política econômica, afirma a presidente, ganhando com a frase a manchete desta terça-feira 29 do jornal Folha de S. Paulo. A se considerar o tom das últimas notícias destacadas no mesmo espaço pela publicação da família Frias, Dilma conseguiu o melhor momento para o seu governo, ali, em semanas.

A presidente também não ficou nem por um minuto quieta diante da gafe cometida pelo banco espanhol Santander no Brasil, com o relatório para clientes de alta renda com a associação nominal da presidente ao fracasso econômico futuro.

– Bancos interferirem na política é inadmissível, rebateu uma Dilma, como se diz, curta e grossa.

A ênfase de Dilma vai sendo apurada, no tocante a efeitos eleitorais, em pesquisas feitas por sua equipe de campanha. O que se sabe, inicialmente, é que pouca gente vai estranhar uma candidata que avança pela linha do ‘fala o que pensa’, uma vez que Dilma nunca foi dada, no governo, a floreios sobre suas posições. Em outras palavras, a Dilma ‘bate, levou’ combina mais com o momento atual da presidente, cercada por ataques nas frentes econômica e política, do que a Dilma ‘paz e amor’.

No governo, o momento da presidente tem levado, também, à tomada de posições claras e objetivas. Depois de se fortalecer com a reunião dos Brics, realizada no Brasil, e a aproximação com a Unasul, Dilma posicionou o Brasil na linha de frente à oposição à Israel, na faixa de Gaza:

– O que há da parte de Israel não é um genocídio, e sim um massacre, atalhou a presidente diante de uma das perguntas que lhe foram dirigidas ontem. Dilma não se intimidou com a postura crítica à decisão brasileira de censurar o governo de Benjamin Netanyahu pelo “uso desproporcional” da força na faixa de Gaza.

A Dilma afiada, com respostas na ponta da língua, sem medo de devolver perguntas difíceis com respostas desconcertantes pela clareza, é que está entrando em campo para a disputa pela reeleição. Osso duro.

About A Politica e o Poder

%d blogueiros gostam disto: